InícioBrasilAtuação de Janja surpreende críticos

Atuação de Janja surpreende críticos

Publicado em

- Advertisement -

Criticada desde o período eleitoral por gozar de um protagonismo que não havia sido registrado anteriormente, Janja surpreende críticos

Desde o período da redemocratização brasileira o protagonismo do poder executivo esteve, majoritariamente, nas mãos de políticos homens ocupando à Presidência da República, e o papel feminino discutido não ultrapassava os limites de uma silenciosa e ilustrativa coadjuvante, que, no máximo, caberia tratar de assuntos tidos “tipicamente femininos”.

As discussões da impressa, mesmo no caso que o papel feminino ultrapassasse esta esfera, era discutir fatores como criação dos filhos, conciliação da vida pública e particular, ou modelos de roupas e cortes de cabelo.

É certo que tivemos mulheres notáveis e de grande relevância, que se viram obrigadas a “negociar” seu espaço para exercer tudo aquilo que desejassem, sem que a opinião pública a colocasse à sombra do marido e seu cargo, a exemplo da marcante Ruth Cardoso, e seu brilhante trabalho durante os 8 anos nos quais ocupou a posição (por vezes injusta) de “Primeira Dama”.

Na história mais recente, ficou marcado, por exemplo, as avaliações de setores da imprensa que avaliaram a posição das “primeiras-damas” unicamente baseados em critérios antiquados e retrógrados que de nenhuma maneira representam as mulheres.

“Bela, recatada e do lar” foi, por exemplo, a manchete de uma das mais renomadas revistas nacionais para descrever, e supostamente “elogiar”, a ex primeira-dama Marcela Temer. 

Já a Michele Bolsonaro, na esteira dessa imagem, também usufruiu de uma “simpatia” da opinião pública ao estabelecer uma aura de mulher “de família” e religiosa, (além é claro de sua beleza e juventude também elogiada na época da posse em janeiro de 2019), ou seja, uma outra maneira de enaltecer o mesmo bordão que foi aplicado anteriormente de “Bela, recatada e do lar”, como se estes fossem os únicos atributos relevantes e positivos sobre uma mulher que está próxima ao poder.

Mesmo antes da posse a socióloga Rosângela da Silva, a Janja, passou a ser alvo de críticas ferrenhas, uma vez que fugiu ao estereótipo predeterminado e aceito, sendo aquela que, em muitas ocasiões, aconselhou e atuou como estrategista durante a campanha do petista.

A jornalista Eliane Castanhêde chegou a comentar no Programa em Pauta que: “O presidente é o Lula. Tudo tem limite, tudo que excede pode dar problema e há um incômodo com o excesso de espaço que a Janja vem ocupando. Ontem, quando o Lula fez aquele discurso em que ele chorou quando falou da fome, quando ele derrapou ao desqualificar a responsabilidade fiscal, ela estava ali sentada. Mas ela não é presidente do PT, ela não é líder política. Qual é o papel da primeira-dama?”, questionou.

Em seguida, a jornalista relembrou outras primeiras-damas do Brasil e a comparou com Ruth Cardoso, esposa de Fernando Henrique Cardoso. “Um bom exemplo de primeira-dama foi a Ruth Cardoso, que, como a Janja, tinha brilho próprio, era professora universitária, uma mulher super-respeitada na área dela e cuidou da Comunidade Solidária, mas ela não tinha protagonismo, não tinha voz nas decisões políticas, se tinha, era a quatro chaves, dentro do quarto do casal”, acrescentou.

Entretanto, mesmo criticada duramente, o apoio da militância se fez ouvir, e logo após o comentário que repercutiu a hastag #RespeitaaJanja deu força para que a socióloga não temesse este protagonismo. Toda a organização dos eventos da posse do Presidente Lula passou pelas mãos e decisões de Janja, que conseguiu a um só tempo mandar um recado claro para o país cheio de simbolismos e emoção, ao mesmo tempo que mostrou seu apoio ao cargo que seu esposo passou a exercer. Longe de ser ilustrativa, a socióloga mostrou que tem muito mais a oferecer e é capaz de surpreender os mais ferrenhos críticos.

Logo quando se pensava que ela não iria se interessar por nenhuma atividade assessória, como é considerada a manutenção e conservação do lar, algo que o público conservador entende ser próprio das “belas, recatadas e do lar” a primeira-dama Rosângela Lula da Silva, a Janja, em entrevista à GloboNews, mostrou os danos no Palácio da Alvorada encontrados pela equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) depois que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) desocupou o local. “O que a gente percebe é que não teve cuidado, manutenção”, observou.

O passeio pela residência oficial e apontou, para a jornalista vidros de janelas rachados, sofás e tapetes rasgados e sujos, tetos com infiltração, tábuas soltas e quebras no piso. Uma série de móveis e obras de arte precisarão ser restaurados, por danos ou exposição indevida ao sol, aproximando a opinião pública do cotidiano do presidente, ao tempo que mostrou um outro lado, não meramente doméstico, mesmo quando fala de sua nova residência: guardiã daquilo que é precioso ao povo e seu patrimônio.

“Eu e o presidente Lula resolvemos que a gente só vai mudar quando tiver um inventário completo do que tem aqui dentro, de como foi entregue para a gente”, afirmou a primeira-dama. Antes mesmo da mudança, a intenção é realizar algumas obras para restaurar o espaço na área residencial do palácio.

 “Os móveis, os pés dos móveis que são de latão, não estão polidos. Os móveis não são os originais. A gente vai tentar recuperar isso. Ainda preciso fazer uma visita no depósito – a Presidência da República tem um depósito de móveis – e ver o que foi para lá. Tem muitos objetos que foram transportados de um lado para o outro, do Planalto para cá, daqui para o Jaburu. Então, a gente precisa localizar esses objetos”, descreveu Janja.

Este é o novo “belo”: uma mulher que consegue transitar por todos os ambientes e papeis que desejar, com liberdade, segurança e inteligência.

Últimas notícias

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.

Janones será investigado por suposta “rachadinha”em gabinete

Parlamentar nega que cobrou de membros de assessoria devolução de parte do salário; representação foi apresentada pelo deputado cassado Deltan Dallagnol

relacionados

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.