InícioBrasilCaixa desiste de cobrar tarifa de PIX para pessoas jurídicas

Caixa desiste de cobrar tarifa de PIX para pessoas jurídicas

Publicado em

- Advertisement -

Após intensa repercussão e Fake News circulando, a CEF decide desistir da cobrança do PIX para pessoas Jurídicas. Especula-se se houve intervenção do Governo Federal na decisão

Em menos de 24 horas uma decisão que estava tomada pela direção da Caixa Econômica Federal foi retirada da pauta interna do Banco.

Após o anúncio de que a CEF passaria a cobrar pelas transações via PIX para pessoas jurídicas a partir de 19 de julho, foi emitido um comunicado oficial nesta terça-feira (20) suspendendo a decisão.

Entre as maiores instituições bancárias do país, a Caixa é o único que ainda mantém a gratuidade: Bradesco, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Caixa e Santander já possuem tarifas especificas sobre estas transações.

Mesmo outros bancos públicos já adotaram a cobrança, mesmo que suas taxas e condições variem entre as instituições financeiras.

Há, contudo, outras instituições e fintechs que não praticam a cobrança. Veja a seguir as condições em cada um deles:

  • Banco do Brasil:

Cobra R$ 2,90 a cada Pix saque e a cada Pix troco. Para recebimento via QR Code PIX, cobra 0,99% do valor por transação, sendo que o valor máximo é de R$ 140,00. Para transferência para outras instituições, cobra 0,99% do valor por transação, sendo que o valor mínimo é de R$ 1,00 e o valor máximo é de R$ 10,00. Não cobra para transferência e recebimento de Pix de BB para BB.

  • Bradesco:
  • Cobra R$ 2,50 a cada Pix saque e a cada Pix troco. Para recebimento via QR Code PIX, cobra 1,40% do valor por transação, sendo que o valor mínimo é de R$ 0,90 e o valor máximo é de R$ 9,00. Para transferência para pagamento, cobra 1,40% do valor por transação, sendo que o valor mínimo é de R$ 1,65 e o valor máximo é de R$ 9,00.
  • Santander:
  • Para recebimento de Pix via QR Code, cobra 6,54% do valor por transação, sendo que o valor mínimo é de R$ 0,90 e o valor máximo é de R$ 9,00. Para recebimento de Pix via Checkout ou GetNet, cobra 1,4% do valor recebido, sendo o mínimo de R$ 0,95. Para envio de pagamento, cobra 1,4% do valor da transação, sendo o mínimo R$ 1,75 e máximo R$ 9,60.
  • Bancos e fintechs que não cobram Pix para PJ
  • Nubank
  • Mercado Pago
  • C6 Bank
  • Cora
  • Inter

Últimas notícias

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.

Tudo pronto para as provas do Concurso Público Nacional Unificado

Provas ocorrem no dia 5 de maio e serão aplicadas simultaneamente em 228 cidades em todas as unidades da federação, com questões objetivas e dissertativas

relacionados

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.