InícioBrasilComo ficam as escolas cívico-militares na Paraíba?

Como ficam as escolas cívico-militares na Paraíba?

Publicado em

- Advertisement -

As escolas cívico-militares não deixarão de existir por completo. Pouco mais de 200 unidades vinculadas ao Pecim serão afetadas pela decisão

O governo federal editou medida que extingue o Programa das Escolas Cívico-Militares (Pecim) em todo o território Nacional.

Mais de 200 escolas serão afetadas com a recente decisão conforme ofício enviado ontem aos secretários de Educação, mas ao contrário do que se possa pensar, as escolas cívico-militares não deixarão de existir por completo.

A medida adotada pelo governo se aplica apenas às escolas vinculadas ao Pecim, afetando pouco mais de 200 unidades. No entanto, as escolas ligadas a programas estaduais ou municipais continuarão em vigor, pois os governadores e prefeitos têm autonomia, conforme a legislação vigente.

O Ministério da Educação (MEC), por meio de um documento oficial, solicita que as unidades do Pecim sejam reintegradas ao formato regular e que seja iniciado o “processo de desmobilização do pessoal das Forças Armadas”. No entanto, os estados e municípios têm a opção de integrar essas escolas a programas próprios.

É importante ressaltar que a decisão de extinguir o Pecim não implica o fim das escolas militares. Os colégios militares são mantidos pelo Ministério da Defesa ou pela Polícia Militar e não estão relacionados ao MEC. Nessas instituições, o currículo pedagógico e toda a estrutura escolar são definidos pelos militares.

Seis escolas da Paraíba que estavam na lista do Programa Nacional de escolas Cívico-Militares (Pecim), encerrado nesta quarta-feira (12), vão passar por mudanças, e deverão se manter em funcionamento até o final do ano letivo.

Na Paraíba, as seguintes escolas participavam do programa, conforme relação disponível no site do Pecim:

  • 2020 – João Pessoa – Municipal Caixa Escolar Chico Xavier
  • 2021 – Bayeux – Municipal EMEF Maria do Carmo da Silveira Lima
  • 2021 – Santa Rita – Municipal Escola Cívico-Militar Capitão Tomaz Panta
  • 2021 – Cabedelo – Municipal Escola Municipal Mª José de Miranda Burity
  • 2022 – Municipal EMEIF Prof. Aníbal Moraes
  • 2022 – Patos – Municipal CIEP III – Dr. Firmino Ayres Leite e Ottto de Souza Quinho

Últimas notícias

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.

Tudo pronto para as provas do Concurso Público Nacional Unificado

Provas ocorrem no dia 5 de maio e serão aplicadas simultaneamente em 228 cidades em todas as unidades da federação, com questões objetivas e dissertativas

relacionados

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.