InícioBrasilDecisão do STF pode gerar "quebradeira" de empresas

Decisão do STF pode gerar “quebradeira” de empresas

Publicado em

- Advertisement -

Advogados dizem que não é possível estimar impacto da decisão, já que empresas com decisões tributárias definitivas a favor não possuem previsão para despesa

O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou uma decisão que pode ter um impacto significativo sobre a segurança jurídica e o caixa das empresas brasileiras. A decisão permite que decisões definitivas sejam “quebradas” se a Corte mudar de opinião sobre matéria tributária, sem a “modulação de efeitos”.

Isto significa na prática que, segundo a decisão do STF, um contribuinte foi autorizado judicialmente a deixar de pagar um imposto pela Justiça, mas posteriormente o Tribunal entender que a cobrança é necessária, ele não terá mais o direito concedido e terá que efetuar o devido recolhimento do imposto.

Este entendimento de “quebra” da decisão se aplica mesmo às decisões transitadas em julgado, ou seja, aquelas que não podem mais ser apeladas. Se o STF mudar de opinião, esses tributos ainda poderão ser cobrados. A decisão foi unânime e tem repercussão geral.

O STF também decidiu por seis votos a cinco que não há modulação de efeitos nestas situações. Isso significa que a Receita Federal pode cobrar o tributo a partir da publicação da ata do julgamento, e as empresas que estavam isentas não só terão que retomar o recolhimento do imposto, como poderão ser cobradas retroativamente, incluindo juros e multas.

A decisão do STF deve respeitar os princípios da anualidade, que determina que aumentos de impostos só podem ser aplicados no exercício financeiro seguinte à aprovação, e da noventena, que impõe um prazo de 90 dias para a aplicação de novos tributos ou aumento de alíquotas.

A discussão concreta envolvia o interesse da União em recuperar a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas que, em 1992, obtiveram uma decisão transitada em julgado do Tribunal Regional Federal (TRF) e foram autorizadas a não pagar o tributo. Quinze anos depois, o STF validou a cobrança da CSLL.

O relator de um dos processos, ministro Luís Roberto Barroso, destacou que a Constituição Federal não pode permitir um tratamento desigual entre contribuintes em situações equivalentes, pois isso pode interferir na livre concorrência.

Ele argumentou que, com a decisão favorável à cobrança da CSLL em 2007, haveria “injustiça tributária” se houvesse modulação favorável àqueles que, mesmo sabendo da posição do Supremo, continuassem sem recolher a contribuição.

Entretanto a decisão cria um cenário de insegurança jurídica, revendo decisões que possam, inclusive, já haver transitado em julgado em matéria tributária, o impactaria de forma fulminante, em alguns casos, empresas que gozaram de decisões que eliminaram grandes montas de impostos, e que agora poderão ser cobrados retroativamente.

O lado positivo da decisão, entretanto, além da chance de encher os cofres públicos, seria que para as empresas que tenham decisão judicial transida em julgado reconhecendo a constitucionalidade (validade) de determinado tributo que, posteriormente, também foi reconhecido como inconstitucional pelo STF, poderão reanalisar a possibilidade de recuperar os valores após a decisão em repercussão geral.

Nem tudo está perdido, mas pairam muitas dúvidas neste cenário de mutabilidade de decisões judiciais. Veremos quais serão os próximos passos do governo para viabilizar o recolhimento dos impostos que, agora, podem ser cobrados pela Receita Federal.

Últimas notícias

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

relacionados

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.