InícioBrasilEx-PM diz que Ronnie Lessa matou Marielle e dá detalhes

Ex-PM diz que Ronnie Lessa matou Marielle e dá detalhes

Publicado em

- Advertisement -

Em depoimento, ex-PM preso desde 2019 relatou que, na noite do ano novo de 2017 para 2018, Ronnie narrou uma tentativa frustrada de assassinar a vereadora com participação do ex-bombeiro ‘Suel’, preso nesta segunda-feira (24)

Conforme informações liberadas em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (24), através de delação premiada à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, apontado como motorista do carro usado no atentado contra Marielle Franco e preso desde 2019, relata que houve uma tentativa frustrada de matar a vereadora ainda em 2017.

A emboscada que vitimou a ex-vereadora Marielle e o motorista Anderson Gomes ocorreu em 14 de março de 2018. O autor dos disparos foi o ex-policial reformado Ronnie Lessa — também preso desde 2019.

À Polícia Federal e ao MPRJ, Élcio afirmou que Ronnie disse ter tentado cometer o crime meses antes, no final de 2017.

Segundo Élcio, os dois estavam juntos na virada do ano de 2017 para 2018, quando Ronnie, alcoolizado, começou a desabafar e contou que semanas antes ele havia tentado “pegar a mulher que estavam monitorando há alguns meses”.

Ainda de acordo com os dados obtidos via delação premiada e homologada judicialmente, Ronnie disse a Élcio que estava acompanhado pelo ex-bombeiro Maxwell Corrêa, o “Suel”, preso nesta segunda-feira (24), e por Edmilson, identificado como “Macalé” — também policial militar, ele foi morto à tiros em 2021.

Ronnie teria contado que a tentativa foi frustrada, porque na hora do cometimento do crime, Maxwell disse que o carro “deu problema” e “falhou“.

Ronnie narrou, ainda, que nesse dia em que os três — ele, Maxwell e Edmilson — foram atrás da “mulher monitorada”, ela estava em um táxi, próximo ao bairro Estácio. Na ocasião, Maxwell estava como motorista, Ronnie com uma submetralhadora MP5 no banco de carona e Edmilson com um fuzil AK47 no banco de trás, “para segurar o trânsito se houvesse necessidade”, conforme o delatado por Élcio.

Suel foi preso nesta segunda-feira na primeira fase da Operação Élpis, que já havia sido condenado em 2021 por atrapalhar as investigações.

Últimas notícias

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.

Tudo pronto para as provas do Concurso Público Nacional Unificado

Provas ocorrem no dia 5 de maio e serão aplicadas simultaneamente em 228 cidades em todas as unidades da federação, com questões objetivas e dissertativas

relacionados

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.