InícioMundoLula pede paz na disputa entre Venezuela e Guiana

Lula pede paz na disputa entre Venezuela e Guiana

Publicado em

- Advertisement -

Lula se reuniu com chanceleres e ministros da Defesa da América do Sul para discutir a questão

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu paz na disputa entre Venezuela e Guiana pela região de Essequibo, rica em petróleo e minas. Em discurso na Cúpula do Mercosul, nesta quinta-feira (7), Lula afirmou que acompanha com “crescente preocupação” o aumento das tensões entre os dois países e disse não querer que essa questão se torne uma ameaça à paz e à estabilidade na América do Sul.

“Uma coisa que nós não queremos aqui na América do Sul é guerra. Nós não precisamos de guerra, não precisamos de conflito”, afirmou Lula. “Nós precisamos construir a paz, porque somente com muita paz a gente pode desenvolver o nosso país, a gente pode gerar riqueza e a gente pode melhor a vida do povo brasileiro”.

Lula pediu para que a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos) faça a mediação entre os dois países, mas colocou o Brasil à disposição para sediar as reuniões entre Venezuela e Guiana. Lula ainda solicitou que tanto o organismo internacional quanto a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) busquem um “encaminhamento pacífico da questão”.

“Caso considerado útil, o Brasil e o Itamaraty estarão à disposição para sediar qualquer e quantas reuniões forem necessárias”, afirmou. “Não queremos que esse tema contamine a retomada do processo de integração regional ou constitua ameaça à paz e à estabilidade”.

No discurso, Lula propôs aos demais presidentes do Mercosul que aprovassem uma declaração para apaziguar as tensões no continente. Ele afirmou que o posicionamento é o mesmo que foi adotado em reunião no dia 22 de novembro entre ministros da Defesa e chanceleres da América do Sul.

“O Mercosul não pode ficar alheio a essa situação. Por isso, eu quero submeter à consideração de vocês a minuta de declaração dos Estados parte do Mercosul sobre essa controvérsia acordada pelos nossos chanceleres”, afirmou o petista. “Recordo a declaração adotada no último 22 de novembro na reunião de diálogo entre ministros da Defesa e das Relações Exteriores da América da Sul, em Brasília, que reafirma a região como uma zona de paz e cooperação”.

A ideia de emitir um comunicado em conjunto com os demais membros do Mercosul já era debatida pelo governo brasileiro. Na noite de quarta-feira (6), Lula se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e com o assessor especial da Presidência, Celso Amorim, para debater a melhor forma de fazer esse pronunciamento em conjunto, sem agravar ainda mais a controvérsia entre Venezuela e Guiana.

A ideia, segundo pessoas próximas ao governo, é a de que o comunicado em conjunto saia antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU que deve discutir a questão, marcada para esta sexta-feira (8).

“Se vocês estiverem de acordo, essa nota que tinha sido feita pelos nossos chanceleres e ministros da defesa poderia ser aprovada aqui”, disse Lula aos demais presidentes do Mercosul.

Presidente brasileiro também pede união para enfrentar desafios econômicos e sociais

Em seu discurso na Cúpula do Mercosul, Lula não só falou sobre a disputa entre Venezuela e Guiana, mas também defendeu a união dos países da América do Sul para enfrentar os desafios econômicos e sociais da região.

“A América do Sul tem um potencial enorme, mas ainda temos muito a fazer para melhorar a vida dos nossos povos”, afirmou o presidente brasileiro. “Precisamos trabalhar juntos para promover o desenvolvimento econômico, a inclusão social e a proteção do meio ambiente”.

Lula destacou que a pandemia de covid-19 e a guerra na Ucrânia agravaram os problemas econômicos e sociais da região. “A crise sanitária e a guerra na Europa estão afetando a economia global, o que também tem impacto na América do Sul”, disse.

O presidente brasileiro defendeu a necessidade de uma maior integração regional para enfrentar esses desafios. “Precisamos construir uma América do Sul mais unida, mais integrada e mais forte”, afirmou.

Lula também falou sobre a importância da democracia e dos direitos humanos na região. “A democracia é essencial para o desenvolvimento da América do Sul”, afirmou. “Precisamos defender a democracia e os direitos humanos em todos os países da região”.

O presidente brasileiro concluiu seu discurso fazendo um apelo à paz e à cooperação entre os países da América do Sul. “A América do Sul é uma região de paz e cooperação

Últimas notícias

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.

Janones será investigado por suposta “rachadinha”em gabinete

Parlamentar nega que cobrou de membros de assessoria devolução de parte do salário; representação foi apresentada pelo deputado cassado Deltan Dallagnol

relacionados

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.