InícioBrasil"Mocinhos ou Bandidos?" Quem paga a Conta?

“Mocinhos ou Bandidos?” Quem paga a Conta?

Publicado em

- Advertisement -

Quem deve arcar com os custos da destruição do patrimônio e dos instrumentos democráticos de uma nação?

Embora boa parte da população tenha ficado estarrecida e surpresa com os atos de vandalismo orquestrados em Brasília, o que se observa é que não se trataram de manifestações espontâneas, como querem fazer crer os líderes do movimento radical bolsonarista.

Muito ao contrário, os atos preparatórios para a invasão da Praça dos Três Poderes vêm sendo orquestrados de maneira pública e notória há mais de 2 semanas, entre os principais perfis Bolsonaristas no País que estavam “guiando” os radicais para insuflar a destruição e violência que se assistiu nas últimas horas.

Não há como isentar influenciadores digitais e agentes públicos, que sejam por ação ou omissão, tenham elogiado manifestações golpistas nos QGs do exército, bloqueio das estradas, ou compartilhamento de notícias falsas.

Todos os meios de fomento, o que, obviamente incluem o financiamento dos atos golpistas, devem ser devidamente registrados, e processados com a devida atenção.

Entretanto, é fato que há um líder maior que responde pela ideologia golpista que se vislumbrar em todos os seus braços de ação espalhados como um vírus social.

O problema da segurança pública no Brasil que se assiste hoje, na realidade passa pela discussão sobre bases muito fundamentais dos valores pétreos da sociedade, pois ao não realizar o devido processo legal contra um presidente da república que atuou de forma contrária à defesa da vida, saúde e educação, e defesa das minorias, como ocorreu com o ex-presidente Bolsonaro, que não sofreu  Impeachment e completou seus 4 anos de mandato, isto sim, foi a principal falha do ponto de vista político e social.

Resta saber quais serão as atitudes práticas e jurídicas que serão tomadas, não só com aqueles que estiveram presencialmente nos atos de vandalismo cometidos, mas com todos aqueles que, durante os últimos 4 anos, estiveram de acordo, ou aplaudiram a dilapidação dos instrumentos democráticos.

A “aura” de supostos defensores da pátria e família cai por terra, por fim, com os atos perpetrados. Resta o questionamento sobre se os eleitores de Bolsonaro que supostamente defendem estes valores continuarão a apoiar estes movimentos.

Últimas notícias

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.

Tudo pronto para as provas do Concurso Público Nacional Unificado

Provas ocorrem no dia 5 de maio e serão aplicadas simultaneamente em 228 cidades em todas as unidades da federação, com questões objetivas e dissertativas

relacionados

Paraíba abre as portas para a Alemanha

Governador João Azevêdo marca o início do I Fórum de Internacionalização Paraíba sem Fronteiras: Paraíba-Alemanha, com investimento de R$ 307 milhões em pesquisa e bolsas.

Vereador Dinho Dowsley se filia ao PSD em busca de representação para João Pessoa

O vereador Dinho Dowsley, atual presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), anunciou nesta quinta-feira (4) sua filiação ao Partido Social Democrático (PSD). A mudança de partido ocorreu após sua saída do Avante, pelo qual foi eleito em 2020.

Governadores do Nordeste Propõem Medidas para Fortalecer Finanças Estaduais

Uma das propostas é a do aumento do FPE e Parcelamento de Dívidas para Enfrentar Desafios Financeiros Estaduais pelas perdas de arrecadação com a desoneração do ICMS.