InícioBrasilMovimento de boicote às vinícolas do sul; entenda o caso

Movimento de boicote às vinícolas do sul; entenda o caso

Publicado em

- Advertisement -

Mais de 200 trabalhadores foram resgatados de condições análogas à escravidão e vinícolas do RS podem ser responsabilizadas, diz MTE

Na quarta-feira, 23 de fevereiro, uma operação policial em Bento Gonçalves, na Serra do Rio Grande do Sul, resgatou mais de 200 pessoas que estavam sendo submetidas a condições análogas à escravidão durante a safra da uva. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) afirmou que as vinícolas responsáveis pelo uso dessa mão de obra podem ter que pagar direitos trabalhistas aos funcionários resgatados.

O caso foi descoberto após a Polícia Rodoviária Federal resgatar mais de 200 trabalhadores do local. O alojamento onde os trabalhadores estavam instalados tinha câmeras de monitoramento, e os trabalhadores eram ameaçados caso reclamassem de alguma coisa. Foi encontrado ainda máquinas de choque e sprays de pimenta, que eram utilizados para obrigar os trabalhadores a realizar as tarefas ordenadas.

De acordo com Vanius Corte, gerente regional do MTE em Caxias do Sul, as vinícolas Aurora, Cooperativa Garibaldi e Salton contrataram a empresa de serviços de apoio administrativo Fênix, que oferecia a mão de obra dos trabalhadores. Pedro Augusto de Oliveira Santana, responsável por essa empresa, foi preso por sua participação nos crimes, mas pagou fiança no valor de R$ 40 mil e responderá em liberdade.

As vinícolas que fizeram uso dessa mão de obra análoga à escravidão poderão ser responsabilizadas pelo pagamento dos direitos trabalhistas caso a Fênix não cumpra com suas obrigações. Segundo o MTE, as pessoas que se beneficiaram do uso dessa mão de obra também poderão ser responsabilizadas. Essa responsabilidade é conhecida como subsidiária.

O trabalho escravo é uma faceta persistente nas áreas rurais brasileiras, e percebe-se que o aparente sucesso de algumas marcas de grande projeção nacional e internacional que operam na Serra Gaúcha não tiveram o rigor necessário para realizar a contratação de empresas terceirizadas e fiscalizar a condição dos trabalhadores que prestavam serviço dentro de suas propriedades modernas e altamente financiadas, o que desmente a noção de que trabalho escravo é algo que ocorre apenas nos grotões mais distantes do Brasil profundo.

Empresas em geral se utilizam da prática de contratação terceirizada, grande parte das vezes, com o objetivo de baixar os custos trabalhistas. A vinícola Aurora, por exemplo, teve vendas acima de R$ 700 milhões em 2020, e a Salton faturou R$ 500 milhões em 2022, seguida pela cooperativa Garibaldi R$ 243,4 milhões em 2021.

Dois trabalhadores da Bahia, que foram vítimas do trabalho análogo à escravidão em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, detalharam como foram contratados para o emprego e o que vivenciaram. Ambos fugiram após presenciarem agressões físicas, verbais e ameaças.

Chegamos lá com um grupo grande de pessoas. Quando vimos a situação todos quiseram ir embora, mas a gente não tinha dinheiro para voltar“, contou.

Quando souberam que dei baixa na minha carteira [de trabalho], ele [suspeito] passou com a pistola com o cabo para fora para me intimidar. Apontavam a arma para irmos trabalhar, davam choque no pé. Era trabalho forçado“, disse.

Acordavam a gente 4h da manhã, chamando a gente de demônio e presidiário. Nem força para trabalhar a gente tinha” , completou.

Ambos relataram que não tinham acesso à toalha, lençol, nem talheres. A comida, que chegava em quentinhas e geralmente estava estragada, era consumida com a mão, o que fez com que a maioria dos trabalhadores contraíssem dívidas para conseguir se alimentar.

De imediato foram registrados vários comentários de repúdio às práticas de trabalho análogo à escravidão, e a cobrança de um posicionamento das empresas envolvidas, ganhando força um movimento de boicote às principais marcas das vinícolas Salton, Aurora e cooperativa Garibaldi.

Últimas notícias

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

relacionados

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.