InícioBrasilO silêncio das Forças Armadas incomoda

O silêncio das Forças Armadas incomoda

Publicado em

- Advertisement -

Ministro da Defesa e militares decidem ficar em silêncio diante de ataques

José Múcio Monteiros, novo ministro da Defesa do governo Lula, escolhido mesmo a revelia de várias vozes internas do Partido dos trabalhadores optou pelo silêncio sobres os atos de ataque de 8 de janeiro.

Assim como ele, os comandantes das três Forças Armadas, Exército, Marinha e Aeronáutica igualmente não realizaram pronunciamento oficial sobre o assunto, seja de forma individual ou em conjunto.  Segundo o porta Correio Brasiliense, os comandantes da Marinha, almirante Marcos Sampaio Olsen; do Exército, general Júlio Cesar de Arruda; e da Aeronáutica, brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno mantiveram contato com o ministro ao longo da tarde do dia dos ataques terroristas na Praça dos Três Poderes, quando sequer a situação havia sido contida.

Os militares decidiram não fazer comentários públicos por entenderem que a situação era de responsabilidade das forças de segurança do Distrito Federal e não envolviam as Forças Armadas.

Na manhã da segunda-feira (9) o ministro José Múcio Monteiro foi ao acampamento golpista, instalado há mais de dois meses na frente do Quartel-General do Exército, para ver de perto a situação do movimento antidemocrático. Depois dos ataques, ele se encontrou com o ministro da Justiça, Flávio Dino, para uma reunião de avaliação. Em recente declaração, o ministro de histórico de direita explica que, por suas palavras: “Eu vim para a Defesa, e não para o ataque“, em uma referência ao nome de seu ministério.

Já o Presidente Lula, em seu discurso com os Ministros de Estado elogiou o fato de que as Forças armadas mantiveram sua função constitucional, mesmo após meses seguidos ouvindo o “canto da serpente do golpismo”.

Entretanto, em outra situações recentes de atos tipicamente da esfera civil, a exemplo das eleições e urnas eletrônicas, o exército foi um dos atores de avaliação da idoneidade do processo, mesmo que este jamais tenha sido um papel atribuído a esta esfera, que tem, notadamente o dever de defender o país em sua soberania contra invasões externas.

O fantasma do período militar ainda “caminha pelos corredores do poder” e assombra com excesso de melindres a relação institucional entre o Executivo, Legislativo e Judiciário com as Forças Armadas, já que não se trata de um quarto poder, mas sim subordinado do Executivo, de acordo com as determinações constitucionais.

O artifício criminoso de invocar a memória de um período de trevas democráticas no Brasil, a ditadura, jamais poderia ter sido tolerado como discurso. Mais que isso, virou uma promessa política que os demais poderes, nos primeiros momentos, haveriam de ser rechaçados pelos instrumentos que se valem a nação para coibir ataques às instituições, duramente reconquistadas pelo povo Brasileiro e materializados na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Últimas notícias

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

relacionados

Ciro Gomes compara Lula e Bolsonaro: “Não mudou nada”

Ex-presidenciável Ciro Gomes ressaltou que desistiu da vida pública e que não será mais candidato a cargos eletivos.

Trump deve enfrentar Biden na eleição

Após vencer as primárias de Missouri, Michigan e Idaho, Donald Trump aparece como principal nome do Republicanos para as eleições dos EUA

Caçada aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró se intensifica

Mossoró: fugitivos invadem galpão, agridem homem e polícia monta cerco. Nas redondezas também há uma pista de pouso em bom estado de conservação, além de ruínas de uma antiga fazenda.