InícioBrasilOs símbolos na comunicação política do novo governo Lula

Os símbolos na comunicação política do novo governo Lula

Publicado em

- Advertisement -

A Caneta BIC de Bolsonaro X A Caneta de um eleitor do Piauí de Lula: A força dos símbolos na comunicação na posse de Lula.

Passadas as primeiras horas após a posse do presidente Luís Inácio Lula da Silva, em seu terceiro mandato, os analistas políticos se debruçam sobre as primeiras ações, decretos e movimentos do governo para determinar a postura que pretende adotar a nova administração petista.

Entretanto, para além das questões diretas da administração a análise do “recado” do novo presidente pode ser observado nos detalhes da comunicação simbólica cuidadosamente pensada pela equipe de planejamento da posse.

Enquanto o ex-presidente Jair Bolsonaro partiu (sem data para retornar) para um “resort” nos Estados Unidos, fixando um conceito derrotista e de abandono de seus fieis apoiadores, Lula, por sua vez, apostou certeiramente em mostrar que subiu a rampa do palácio do planalto de mãos dadas com os cidadãos brasileiros, aniquilando assim toda e qualquer semiótica de que os resultados das urnas não foram legítimos ou não expressaram a vontade do povo.

A manobra antidemocrática de Jair Bolsonaro não passar a faixa presidencial para o presidente eleito, longe de mostrar um gesto de força do ex-presidente, deu de bandeja uma oportunidade para que a comunicação através de símbolos fosse explorada com maestria, e permitiu a Lula decidir que, pela primeira vez, fosse o povo a entregar a faixa presidencial ao novo Presidente do Brasil, naquela que foi uma das maiores surpresas da cerimónia da tomada de posse.

A frase adotada como lema do governo teve como objetivo massificar o conceito de união, bem como a informação de que o ex-presidente dilapidou o estado de todas as maneiras: “União e Reconstrução” passará a ser a assinatura de um Brasil diverso e multicolorido – exatamente como a nova logomarca adotada, que uniu as cores de todas as bandeiras dos estados brasileiros.

Na contramão de um governo plural, a logomarca do governo de Bolsonaro equivocadamente exibia uma bandeira do Brasil partida ao meio como recurso estilístico, mas que como significado traduzia, mesmo que inadvertidamente (ou não), a divisão e a segregação do Brasil. Outros diversos momentos do ex-governo apropriou-se de lemas ou semióticas tipicamente naz*stas, a exemplo do lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. A primeira parte é imitação idêntica alemã “Deutschland über alles” (‘Alemanha acima de tudo’), frase que encabeçava o hino nacional do país. Embora não criado pelos nazistas e sim um século antes, pelo poeta August Hoffmann von Fallersleben (1798-1874), o lema foi tão utilizado por Hitler e seus adeptos, que após o fim da Segunda Guerra, foi não somente removido do hino nacional, mas também estritamente proibido no país.

Entre os representantes da sociedade brasileira que transmitiram a faixa a Lula, uns conhecidos e outros anónimos, estavam o Raoni Metuktire, o maior líder da etnia caiapó do Brasil; um jovem com deficiência chamado Ivan Baron, que teve paralisia cerebral causada por uma meningite; Murilo de Jesus, professor de português; Jucimara dos Santos, uma cozinheira; Francisco, um menino negro de 10 anos que mora em São Paulo; e Aline Souza, que trabalha apanhando lixo nas ruas. Todos subiram a rampa do Palácio do Planalto, ao lado do novo Presidente, que trazia consigo a cadela Resistência, assim batizada em homenagem à resistência de Lula quando esteve preso em Curitiba.

Toda a cerimônia usou a tônica da semiótica simbólica e emocional, tendo como ponto alto a passagem da faixa presidencial, o símbolo da transição do poder brasileiro, que passou de mão em mão até chegar a Aline Sousa, uma mulher negra, de 33 anos, mãe, que ganha a vida nas ruas a catar lixo reciclável.

A simbologia adotada tornou-se tão eficiente que a força simbólica assumiu o protagonismo das análises políticas da imprensa, tornando-se maior do que a própria tomada de posse, e virando uma verdadeira alegoria da diversidade ética, do respeito as minorias e unificação do país.

Lula não desejava apenas tomar posse, pretendeu fazer história e firmar conceitos do que ele é e representa. Quebrou o protocolo no Congresso Nacional neste domingo pedindo a palavra para contar a história da caneta que usaria para assinar o termo de posse, após um processo eleitoral tão conturbado, onde as ameaças a democracia foram constantes:  

Eu queria contar uma história. Em 1989, eu estava fazendo comício no Piauí. Foi um grande comício. Depois, nós fomos caminhar até a igreja São Benedito. E, ao terminar o comício, um cidadão me deu essa caneta e disse que era pra eu assinar a posse se eu ganhasse as eleições de 89”, relembrou.

Enquanto Bolsonaro tentou implementar a imagem de um “homem simples e de família” utilizando uma caneta BIC, ou sendo filmado tomando “café pingado” a sua comunicação não conseguia penetrar nas camadas da população que nunca se identificaram com a mensagem ou até mesmo a contradição entre os símbolos e os gestos.

A simbologia na comunicação política no terceiro mandato de Lula não é um detalhe, é uma declaração de filosofia de governo.

Últimas notícias

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.

Janones será investigado por suposta “rachadinha”em gabinete

Parlamentar nega que cobrou de membros de assessoria devolução de parte do salário; representação foi apresentada pelo deputado cassado Deltan Dallagnol

relacionados

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.