InícioParaíbaSalão do Artesanato tem como tema “Artesanato Indígena”

Salão do Artesanato tem como tema “Artesanato Indígena”

Publicado em

- Advertisement -

A nova edição do evento conta com mais de 500 expositores, no período de 13 de janeiro a 5 de fevereiro.

O lançamento da 35ª edição do Salão do Artesanato Paraibano ocorreu na manhã desta terça-feira (10), na Orla da Praia de Cabo Branco, em João Pessoa, no mesmo espaço em que o evento será realizado de 13 de janeiro a 5 de fevereiro. A solenidade de lançamento foi prestigiada pela primeira-dama do Estado e presidente de Honra do Programa do Artesanato Paraibano (PAP), Ana Maria Lins, além de outras autoridades. 

O tema do 35° Salão do Artesanato Paraibano é “Artesanato Indígena”, mostrando toda a riqueza cultural dos primeiros habitantes do País, representada aqui no Estado principalmente pelas etnias Potiguara e Tabajara. Ao todo, o Salão terá a participação de 537 artesãos, número recorde e que vai trazer a riqueza do nosso artesanato produzido do Litoral ao Sertão. O evento é uma realização do Governo do Estado e Sebrae-PB. 

O evento terá o ambiente totalmente climatizado, e corredores sensoriais, com ambientações próprias do artesanato e temáticas indígenas, além de músicas da cultura indígena usadas na dança do toré, além de alguns incensos de ervas conhecidas pelos indígenas há centenas de anos, entre outros detalhes. A fachada utilizou-se de grafismos típicos dos usados hoje em dia nas aldeias na pintura de corpo.

Em seu discurso, Ana Maria Lins destacou a satisfação pelo lançamento do 35° Salão do Artesanato Paraibano. “Estou muito feliz, no início da segunda gestão do governador João Azevêdo, estar aqui no lançamento do 35° Salão do Artesanato Paraibano. Um grande evento que evidencia a cultura paraibana, homenageando a cultura indígena, exaltando seus costumes tradicionais“, afirmou a presidente de honra do PAP, ressaltando a diversidade trazida pela participação de mais de 500 artesãos. 

Em todo Salão, a entrada é gratuita, mas pedimos a colaboração da população para trazer um quilo de alimento não perecível, cuja arrecadação vai ajudar entidades na Capital“, conclamou Ana Maria Lins em outro momento. 

Primeira-dama, Ana Maria Lins, com um representante indígena no lançamento do evento.

O secretário executivo da Comunicação Institucional, Fábio Barros, destacou que a realização do Salão do Artesanato Paraibano, no mês de janeiro, em João Pessoa, e no mês de junho, em Campina Grande, representa um compromisso social. “É a valorização de todo um segmento que gera emprego e renda, numa época cheia de turistas, o que potencializa tanto a parte econômica quanto cultural do evento”, evidenciou. 

O diretor-técnico do Sebrae-PB, Lucélio Cartaxo, evidenciou a importância da parceria entre o Governo do Estado e o órgão no desenvolvimento do artesanato paraibano. “É um evento já consolidado, que nos oferece a oportunidade de divulgarmos a nossa cultura e nesta edição está de parabéns por prestigiar a cultura indígena. É um evento que culmina com o trabalho de capacitação que promovemos ao longo do ano”, acrescentou.

O secretário executivo de Desenvolvimento Econômico e Trabalho de João Pessoa, João Bosco, disse que, por conta do período do ano, o 35° Salão do Artesanato Paraibano “será uma grande oportunidade de divulgação e de comercialização do segmento. A estimativa é que João Pessoa tenha um índice recorde de turistas. Então, é uma oportunidade muito grande para os artesãos divulgarem bem e vender os produtos que serão trazidos para esta exposição”, completou. 

A etnia Tabajara foi representada pela indígena Talita Brito. “Nunca recebemos nenhuma homenagem nessas 34 edições do Salão. Pedimos ao governador João Azevêdo uma forma de desenvolver ainda mais o nosso artesanato. Essa homenagem vai divulgar ainda mais o nosso trabalho”, comemorou. 

 “Além disso, estamos trazendo alguns elementos cenográficos, como duas canoas que são utilizadas pelos indígenas na atividade da pesca, e também a montagem pelos próprios indígenas de duas ocas e elementos do cotidiano deles”, prosseguiu o arquiteto.

A ambientação do espaço vai contar ainda com um corredor sensorial, onde o visitante será recebido com músicas da cultura indígena usadas na dança do toré, além de alguns incensos de ervas conhecidas pelos indígenas há centenas de anos, entre outros detalhes.

O também arquiteto Gustavo Vaz destacou que todo o projeto foi pensado para surpreender quem for prestigiar o Salão. “Temos o desafio de fazer algo não repetitivo, claro, mas tendo em mente de que tem de ser um circuito onde os visitantes passem por todas tipologias, dando oportunidade igual de divulgação e comercialização a todos os artesãos”, ressaltou. 

Serviço 

35° Salão do Artesanato 

Período : 13 de janeiro a 5 de fevereiro 

Horário : das 15h às 22h, todos os dias da semana 

Endereço : Orla Marítima de Cabo Branco, após o Jangada Clube

Realização : Governo do Estado e Sebrae

Últimas notícias

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.

Janones será investigado por suposta “rachadinha”em gabinete

Parlamentar nega que cobrou de membros de assessoria devolução de parte do salário; representação foi apresentada pelo deputado cassado Deltan Dallagnol

relacionados

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.