InícioParaíbaVítima de médico agressor relata que ele não tinha medo de denúncias

Vítima de médico agressor relata que ele não tinha medo de denúncias

Publicado em

- Advertisement -

João Paulo Casado aparece agredindo a ex-companheira, a enfermeira Rafaella Lima, em pelo menos duas ocasiões diferentes, em vídeos em 2022. 

A enfermeira Rafaella Lima enfrentou um pesadelo de abuso doméstico nas mãos do ex-marido, um médico influente em João Pessoa. O horror dessas agressões, que ocorreram em 2022, foi capturado por câmeras de segurança e veio à tona recentemente.

Os vídeos mostram o médico agredindo Rafaella em duas ocasiões distintas, revelando um período sombrio em seu relacionamento com João Paulo Casado. O mais alarmante é que Rafaella só conseguiu acessar as imagens um ano depois, quando começou a desvendar a verdade sobre seu relacionamento.

“Ver a mim mesma foi diferente. Eu tentava bloquear sempre que as agressões aconteciam. Então… eu nem lembrava que o carro tinha sido naquela intensidade. Eu lembrava que ele tinha me dado um soco”, diz Rafaella.

As agressões foram tão graves que vizinhos denunciaram o caso anonimamente no ano passado, levando Rafaella à delegacia da mulher de João Pessoa. No entanto, ela negou todas as acusações, com medo das consequências.

Em julho, Rafaella e João Paulo se separaram, e em agosto ela finalmente denunciou as agressões. As imagens chocantes vieram a público esta semana pelo site Paraíba Feminina, mudando tudo.

A delegada Nadja Fialho de Araújo, que havia pedido o arquivamento do caso anteriormente, foi afastada após a repercussão do escândalo. A questão chegou até mesmo à Assembleia Legislativa da Paraíba.

João Paulo Casado, apesar das evidências, nunca demonstrou receio de ser denunciado e frequentemente menosprezava a situação. Ele afirmava que as consequências de suas ações seriam mínimas, no máximo uma fiança.

Rafaella e João Paulo começaram a namorar e morar juntos em 2020. Ela largou seu trabalho como enfermeira para estudar medicina, custeada por ele. Rafaella afirma que a violência era sempre motivada por questões triviais e que ele a intimidava quando ela expressava opiniões próprias.

“Você tinha que concordar com a opinião dele. Se você tivesse uma opinião própria, ele a via como um desaforo”, diz Rafaella.

A defesa de João Paulo tenta justificar as agressões, alegando que Rafaella havia maltratado o filho dele naquele dia. No entanto, ela nega categoricamente essa versão e sempre teve uma relação amigável com o enteado.

As autoridades não ficaram indiferentes ao caso. João Paulo Casado foi exonerado de seus cargos como médico ortopedista no maior hospital da Paraíba e na diretoria do principal hospital municipal de João Pessoa. Além disso, ele é cabo do corpo de bombeiros e enfrenta uma sindicância.

Últimas notícias

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.

Janones será investigado por suposta “rachadinha”em gabinete

Parlamentar nega que cobrou de membros de assessoria devolução de parte do salário; representação foi apresentada pelo deputado cassado Deltan Dallagnol

relacionados

PF INVESTIGA ESQUEMA DE FALSOS MÉDICOS NA PB

Após denúncia em Cabedelo, PF recebe do CRM dossiê sobre esquema de falsos médicos na PB

Nilvan reage: “A melanina da minha pele não é motivo para ninguém me desqualificar”

"Isso é um crime muito grave e não pode passar despercebido, senão vira moda. E a gente tem que cortar o mal pela raiz, para que outras pessoas que queiram fazer isso comigo ou com qualquer outra pessoa negra, elas tenham medo de ser preconceituosos, ser racista, antes de cometer qualquer fato em relação ao que cometeram comigo hoje."

Azevêdo anuncia reajuste de servidores, incorpora mais 20% na Segurança e piso de professores

Reajuste também contempla inativos e pensionistas, além de professores e forças de segurança.